Como a borra de café pode acabar com o mosquito da dengue

O mosquito da dengue não se dá com café. Duas pesquisadoras da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de São José do Rio Preto (SP) concluíram que a cafeína é fatal para o desenvolvimento da larva do Aedes aegypti.

cafe-e-dengue

Quanto maior a concentração de cafeína na água parada contida em vasos, ralos e plantas, menor o tempo de vida das larvas. “Registramos uma taxa de mortalidade de 100%. Nenhuma das larvas conseguiu chegar ao último estágio de desenvolvimento”, diz a bióloga Alessandra Theodoro Laranja, co-autora do estudo.

Resultados semelhantes foram obtidos com a borra de café. Em laboratório, quatro colheres de sopa de borra de café bloquearam o desenvolvimento de larvas mergulhadas no equivalente a um copo de água. “Testes realizados em jardins confirmaram as experiências de laboratório”, afirma Laranja.

O estudo da Unesp oferece novas perspectivas para o combate ao mosquito da dengue. “A possibilidade de aplicação da cafeína e da borra de café como auxiliares no controle da reprodução do Aedes egypti é bem-vinda. Mas, para esse processo ser utilizado em larga escala, as dosagens e os métodos de uso precisam estar consolidados”, diz José Eduardo Bracco, pesquisador da Sucen (Superintendência de Controle de Endemias).

Em situações de epidemia de dengue, o método de combate mais usado contra a reprodução do mosquito é a aplicação de inseticidas, mas a maioria desses produtos é tóxica. Além disso, com o tempo, os mosquitos podem adquirir resistência a essas substâncias. “A borra de café funciona como um inseticida natural e não faz mal para seres humanos, animais e plantas”, afirma a bióloga.

Outros produtos, como o sal de cozinha e a água sanitária, têm sido recomendados contra o Aedes egypti. Mas há limitações: eles não podem ser aplicados em plantas, por exemplo. A borra é um resíduo produzido diariamente na maioria das residências. “Ela pode ser jogada sobre o solo dos jardins e hortas, na terra dos vasos ou dentro das bromélias”, diz Laranja. “O que não se deve fazer é diluí-la em água antes de aplicar”, adverte.

As larvas do mosquito se desenvolvem em quantidades mínimas de água parada -limpa ou suja. Uma simples película sobre a terra de jardins e hortas é suficiente para facilitar a reprodução do mosquito. Os vasos de plantas, principalmente de bromélias, são viveiros domésticos perfeitos para o Aedes aegypti, que passa pelas fases de ovo, larva e pupa antes de atingir a forma de inseto.

A larva se intoxica ao ingerir extratos de borra do café. A quantidade de borra a ser utilizada depende da quantidade de água acumulada. Se o local contém o equivalente a meio copo de água de chuva ou de rega, por exemplo, duas colheres de sopa de borra bastam. “A mesma quantidade de borra nova deve ser colocada a cada sete dias”, explica a bióloga.

Fonte: Folha Online /  Café Ouro Negro

Almanaque Londrina

O ALMANAQUE LONDRINA é um portal que oferece divulgação para micro, pequenas e médias empresas. Um Guia onde o internauta pode encontrar informações sobre o que há de melhor na cidade, fácil e rápido.

Sem comentários ainda

Seu comentário é importante

Your email address will not be published.

Você pode usar atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Almanaque Londrina
O Almanaque Londrina é um guia onde o internauta pode encontrar informações sobre o que há de melhor na cidade, rápido, fácil e de graça.